sofrimento psíquico

Quando procurar um psicólogo?

procurar-um-psi

Anúncios

Transformações do sofrimento psíquico

“O que é um zumbi? É alguém que já morreu e não sabe que morreu. então permanece no movimento automático, despersonalizado, sem queixas. Só anda e tenta comer outras pessoas. na narrativa sobre zumbis, esta é a metáfora para dizer ‘perdi minha alma e vou recuperá-la me apossando do outro. Não sei o que tem lá, mas se eu ingeri-lo, talvez eu me salve’”.

A declaração foi feita pelo psicanalista Christian Dunker durante o Café Filosófico CPFL sobre “Transformações do sofrimento psíquico”. O programa foi ao ar no domingo, 27/07, na TV Cultura. Assista à íntegra em

http://migre.me/kGoYB

O normal e o patológico em nossa vida mental.

normal e patolÉ importante sabermos que em algum momento todos nós apresentamos alguns comportamentos que podem ser chamados de “estranhos” ou “esquisitos” uma vez ou outra.

Nosso psiquismo em geral é permeado por estados emocionais variados, de transições e crises. Todos nós temos alguns medos irracionais, algumas idéias invasivas em nossa consciência e momentos em que apresentamos uma ansiedade mais intensa.

Passa a ser visto como um estado patológico quando estas situações dominam a nossa vida mental, causando sofrimento emocional (ansiedade, desânimo, etc.) e passam a ocupar o primeiro plano em nossas vidas nos impedindo de viver outras experiências.

Isto leva a uma certa perda de liberdade, nos paralisam e levam a um modo estereotipado de funcionamento mental e psíquicoNeste quadro de sofrimento psicológico pode ser necessário a ajuda profissional de psicologia e da aplicação da psicoterapia.

Com a psicoterapia, torna-se possível sair deste estado, restaurar nossa capacidade de prosseguir e desenvolver-se, respondendo de modo criativo aos desafios da existência.

Depressão, o mal do século 21

“A depressão é um problema de saúde pública, e será o mal do século 21, juntamente com a síndrome do pânico”, afirma Sílvia Ivancko, psicoterapeuta e psicóloga do Instituto de Cancerologia de São Paulo. Os números da depressão são mesmo alarmantes: embora não se tenha um cálculo exato, estima-se que cerca de 30% da população mundial sofra da doença, sem saber.

“O maior problema com a depressão é o desconhecimento. O indivíduo deprimido está doente, sofre muito, mas sua falta de interesse pela vida costuma ser vista como preguiça ou falta de caráter”, explica Sílvia.

Quimicamente, a depressão é causada por um defeito nos neurotransmissores responsáveis pela produção de hormônios como a serotonina e endorfina, que nos dão a sensação de conforto, prazer e bem-estar. Quando há algum problema nesses neurotransmissores, a pessoa começa a apresentar sintomas como desânimo, tristeza, autoflagelação, perda do interesse sexual, falta de energia para atividades simples.

Em geral, em algum momento de suas vidas, uma em cada cinco pessoas experimentará pelo menos um episódio depressivo. Mas Sílvia Ivancko explica que, embora trate-se de um distúrbio químico, a depressão sempre tem, em sua raiz, algum motivo psicológico. Assim, seu tratamento inclui, necessariamente, a psicoterapia. “O remédio ajuda muito, mas ele não é eterno. Se a causa primeira não for tratada, a depressão voltará”

Fonte: [url=http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI616654-EI1712,00.html]Terra[/url]