Artigos de Interesse Psi

Vida e seus sentidos na clínica psicológica. Aportes da Fenomenologia Existencial

Por Marcos E. F. Marinho

arvoresÉ na fenomenologia que busco os aportes para compreender a experiência vivida de meu paciente e as questões que dele emergem. Busco pela observação uma compreensão não apriorista, sem rótulos ou pré conceitos sobre aquilo que se abrirá diante de mim, ao contrário, propõe-se junto com o paciente, um caminhar, que desenvolve, no processo psicoterapêutico, uma descrição daquilo que se vê, e assim, possibilitar que os sentidos se desvelem, a todos, psicólogo e paciente.

Uma observação, que leve em conta que o ser humano que busca apoio e ajuda, já existia em sua singularidade de percurso antes de uma possível reflexão teórica de minha parte. Portanto adota-se uma postura curiosa, “aprendente” e indagadora, de modo a se juntar elementos para uma descrição direta do fenômeno que se apresenta a partir da narrativa do paciente.

Ou seja, um caminho à coisa mesma, percorrendo algumas veredas abertas, que o fenômeno, ao mostrar-se, permite-nos ver.

Diante da narrativa do paciente, um fenômeno pode se desvelar, Martin Heidegger fala desse trabalho de desvelamento do fenômeno, de retirar do encobrimento, de desocultar, como uma busca por uma verdade que os gregos definiam como alétheia.

martin-heidegger-89-6Para Heidegger, a não verdade não seria uma falsidade, mas um disfarce, um encobrimento, como algo velado. Muitas vezes essa verdade do ser, se oculta inclusive do próprio ser (por exemplo na situação de terapia)

Nesta busca da verdade – alétheia, o retorno à coisa mesma se dá na forma como podemos tornar algo manifesto, deixar e fazer ver, mostrando-se a si mesmo, ou melhor, aquilo que se mostra, tal como se mostra a partir de si mesmo.

Num processo terapêutico o fenômeno trabalhado, traz velamento ou encobrimento, muitas vezes pelo cotidiano, por sistemas tradicionais, teorias, ideologias e crenças. Também se considera que o fenômeno traz as marcas da sua historicidade, traz as mudanças e movimentos que situam e dão seus contornos, tal qual se apresenta no presente, aqui e agora.

“Lenha é um antigo nome para floresta. Na floresta há caminhos que no mais das vezes, invadidos pela vegetação, terminam subitamente no não-trilhado, eles se chamam caminhos da floresta. Cada um segue um traçado separado, mas na mesma floresta. Muitas vezes parece que um se assemelha ao outro. Contudo, apenas assim parece. Lenhadores e guardas da floresta conhecem os caminhos. Eles sabem o que quer dizer estar num caminho da floresta.” Heidegger, Martin. Holzwege (inéditas) apud STEIN, E. 1999.

Ao buscar aportes da fenomenologia para dar suporte ao tranbalho clínico, mira-se nos trabalhos de Heidegger, considerado como um método fenomenológico e hermenêutico, os conceitos que se referem ao movimento de dirigir a atenção para trazer à luz o que se oculta naquilo que se mostra, precisamente o que se manifesta nisso que se mostra.

psisO trabalho numa perspectiva hermenêutica heideggeriana, interroga pelos sentidos, visa interpretar o que se mostra, o manifesto, mas que, no início e na maioria das vezes, não se deixa ver (se oculta). Eis a beleza do trabalho de interpretação (do psicólogo junto com seu paciente) que a condição de psicoterapia propicia.

A concepção de sentidos adotada no trabalho terapêutico se inspira na concepção heideggeriana, que se difere do uso corriqueiro da palavra “sentidos” como sinônimo de significado. Dulce Critelli (1996) fala que a fenomenologia vê significado como um conceito de algo; uma definição a respeito do que é e como é algo, portanto tem uma concretude e uma permanência.“(…) os significados estão aderidos às coisas e são socializados, testemunhados e admitidos por todos nós” (Critelli, 1996:43).

Já o sentido não é compreendido como sinônimo para o termo significado, mas como direção, como norte, como destinação. Assim, ao pensarmos sobre um sentido de um fenômeno, estamos buscando compreender o que é e como é o manifesto de algo.

A psicoterapia com inspiração fenomenológica propõe desvelar o sentido que o Ser faz para cada um de nós naquele momento e naquele tempo e então, todo um trabalho de aprendizagem do “cuidar de si” e de escolhas existenciais passa a ser feito. Segundo Critelli (1996), o desvelamento de um sentido ocorre quando algo sai de seu ocultamento e se revela em uma de suas possibilidades, num determinado contexto, numa determinada época.

Pensando naquilo que se convencionou-se nomear como sintomas e a tentativa de se juntar peças de um quebra cabeça psíquico de modo mecânico, como antítese de um caminhop por uma compreensão fenomenologica e hermenêutica, em que, as formas de expressão de um sentido do ser e do existir no mundo que não dão conta de si, numa alienação do ser que provoca sofrimentos, angústias e experiências dolorosas de “sem saídas” existenciais.

Na psicoterapia as expressões do paciente possibilita que algo saia do ocultamento, não no total de suas possibilidades, mas totalmente numa de suas possibilidades. No desenvolvimento do trabalho e da lida do psicólogo, por meio da escuta atenta, da relação estabelecida com o paciente, dos registros sobre a narrativa trazida e pelo intrigante trabalho de interpretação que, de certo modo, surge a possibilidade de junto com àquele que busca por ajuda, descortinar toda uma construção reveladora de como os seres humanos se relacionam com as coisas, com os outros e com o mundo; e é na fenomenologia existencial que buscamos subsídios para esta compreensão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s